Agora é curtir a pagina do blog

quinta-feira, 28 de maio de 2015

Hospital explica suposto atendimento privilegiado a Luciano Huck e Angélica



huck1
Angélica e Luciano Huck se envolveram em acidente aéreo no domingo
A Santa Casa de Campo Grande emitiu nota se pronunciando após as denúncias de um coordenador do SAMU apontando para a negligencia da instituição de saúde com pacientes do SUS.
Segundo o comunicado, “em momento algum a Santa Casa negou ou recusou atendimento a qualquer pessoa que porventura tenha procurado o hospital” e “pacientes que necessitam de atendimento na referência exclusiva do hospital (politrauma, neurocirurgia e queimados), bem como aqueles não dependentes de respiração artificial, continuam sendo acolhidos na mais absoluta normalidade”.
Confira a nota na íntegra:
Tendo em vista declarações prestadas à imprensa pelo coordenador do SAMU segundo as quais a Santa Casa teria negado atendimento a seis pacientes, a bem da verdade a diretoria da Associação Beneficente de Campo Grande, mantenedora do Hospital Santa Casa, presta os seguintes esclarecimentos:
Em momento algum a Santa Casa negou ou recusou atendimento a qualquer pessoa que porventura tenha procurado o hospital ou encaminhada para assistência pelos entes reguladores.
 
Tanto isso é verdade que no dia 24 de maio (dia do acidente com familiares do apresentador Luciano Huck), até às 17h, um total de 100 atendimentos foram realizados, inclusive 12 encaminhados pelo SAMU, dois pelo Corpo de Bombeiros e seis por ambulâncias do interior, mesmo estando esgotada a capacidade do hospital para pacientes críticos dependentes de respiração artificial.
A Santa Casa reitera que pacientes que necessitam de atendimento na referência exclusiva do hospital (politrauma, neurocirurgia e queimados), bem como aqueles não dependentes de respiração artificial, continuam sendo acolhidos na mais absoluta normalidade.
Os familiares do apresentador Luciano Huck, na condição de vítimas de acidente aéreo (possíveis politraumatizados não dependentes de respiração artificial), deram entrada no pronto socorro do hospital de forma espontânea, sem nenhum encaminhamento por parte dos órgãos reguladores.
Foram recebidos tal qual são atendidos todos os pacientes com esse perfil que buscam ou são encaminhados ao hospital, tendo sido inclusive passado pelo SUS.
O mesmo se dá com relação aos seis pacientes sobre os quais o coordenador alega que tiveram atendimento recusado. Cabe ao regulador municipal, enquanto autoridade sanitária, decidir pela melhor assistência ao paciente. Se estes se encontram na Unidade de Pronto Atendimento, porque o regulador decidiu que diante das circunstâncias, esta unidade é o local disponível mais indicado.
É oportuno ressaltar que os 96 leitos de UTI do hospital encontram-se ocupados e 7 pacientes dependentes de respiração artificial aguardam, internados na Santa Casa, vagas em leitos de UTI.
A Santa Casa lamenta pela forma oportunista e midiática como o caso foi tratado pelo coordenador do SAMU, e reitera que suas portas estarão sempre abertas para atender quem quer que seja, independente de posição social e econômica!

Nenhum comentário: